Mishpatim – Julgamentos – por Ap. Yves Garcia

Leia: Êxodo 21:1-24:18 (Parashá – Porção)

Jeremias 34:8-22 33:25-26; Matheus 5:38-42(Haftará – Profetas, Escritos e o Novo Testamento)
Começamos está parashá fazendo um resumo dos seus capítulos, vemos as leis referentes aos servos, às leis referentes as propriedades, as leis sobre julgamento, o ano Sabático, as festas bíblicas, e a confirmação da aliança entre D-us e Israel.
Êxodo 21:4-6
4 – Se seu senhor lhe houver dado uma mulher e ela lhe houver dado filhos ou filhas, a mulher e seus filhos serão de seu senhor, e ele sairá sozinho. 5 – Mas se aquele servo expressamente disser: Eu amo a meu senhor, e a minha mulher, e a meus filhos; não quero sair livre, 6 – Então seu SENHOR o levará aos juízes, e o fará chegar à porta, ou ao umbral da porta, e seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre.
Aqui nesta passagem um dos princípios que ensinavam sobre como deveria ser o relacionamento entre senhor e servo, ou como em outras traduções chama-se de “Escravo”, mas não devemos confundir com os escravos contados em livros de escola, pois os escravos das historias não tinha nenhum beneficio, diferente do “escravo” de Êxodo 21 que possuía muitos benefícios e deveria ser tratado com alguém da família por seu senhor, ou seja, a bíblia já tinha e tem a preocupação de manter uma sociedade sem desigualdade social, garantindo beneficio e igualdade aos mais necessitados e com menos condições. O mesmo princípio apresentado sobre o escravo querer ficar servindo ao seu senhor, mesmo o seu senhor liberando ele a seguir sua vida, e de livre e espontânea vontade querer ficar com seu senhor, o Apostolo Paulo aplica em sua vida, pois se fez escravo de todos por livre e espontânea vontade para ganhar vidas para o Reino de D-us, Judeus e Gentios, que exemplo de vida do apostolo Paulo, será que hoje podemos dizer: Jesus, sou seu escravo de livre e espontânea vontade para anunciar seu Reino aos Pecadores? Podemos ter certeza que assim como os escravos tinham benefícios de ser servos fieis, assim se eu e você buscarmos ser servos saibamos que nesta vida e após nossa morte e ressurreição existem bênçãos incomparáveis nos aguardando, Baruch Hashem! Bendito seja o Nome!
Êxodo 21:23-27
23 – Mas se houver morte, então darás vida por vida, 24 – Olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, 25 – Queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe. 26 – E quando alguém ferir o olho do seu servo, ou o olho da sua serva, e o danificar, o deixará ir livre pelo seu olho. 27 – E se tirar o dente do seu servo, ou o dente da sua serva, o deixará ir livre pelo seu dente.
Irmãos como os princípios desta foram e tem sido negligenciada por uma grande parte dos teólogos e estudiosos das escrituras com o argumento de que Jesus “anulou a lei”, isso tem fundamento dentro dos princípios dados por D-us. O que quero apenas explicar é que por trás desta lei se esconde o princípio da indenização, ou seja, restituir um equivalente ao dano causado ao próximo, exemplo: alguém que tem um carro e esse carro serve como sustento para a família, a pessoa que danificou as rodas deveria comprar as rodas novamente ou pagar um proporcional ao tempo que o dono do carro ficou parado sem trabalhar, e não necessariamente furar os pneus do carro do seus vizinho para “descontar”o dano.
Êxodo 22:29-31
29 – As tuas primícias, e os teus licores não retardarás; o primogênito de teus filhos me darás. 30 – Assim farás dos teus bois e das tuas ovelhas: sete dias estarão com sua mãe, e ao oitavo dia mos darás. 31 – E ser-me-eis homens santos; portanto não comereis carne despedaçada no campo; aos cães a lançareis.
Amados, aqui se registra um grande principio o de dar ao Senhor o melhor de tudo que temos principalmente nossas primícias, aquilo que no fim de um trabalho ganhamos e por D-us ter me dado saúde, sabedoria e força para conquistar, retribuímos com nossos dízimos e ofertas como uma prova do reconhecimento do sustento que vem do Senhor. Israel neste contexto tinha uma renda vinda totalmente da plantação, deste modo deveriam honrar a D-us com os primeiros frutos, principio esse que D-us ao enviar seu filho deu o que tinha de melhor para humanidade. Outro motivo de devolvermos nossas primícias ao Senhor é algo extremamente importante: “a gratidão” devemos ser gratos a D-us, e uma prova de gratidão é darmos nossas primícias, e essa gratidão somada aos nossos atos, D-us ainda nos abençoa, para que a produção e resultado de nosso trabalho seja abundante.
Êxodo 23:20-21
20 – Eis que eu envio um anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho, e te leve ao lugar que te tenho preparado. 21 – Guarda-te diante dele, e ouve a sua voz, e não o provoques à ira; porque não perdoará a vossa rebeldia; porque o meu nome está nele.
Assim como o Anjo do Senhor estava sempre com Israel, Hoje ele ainda está com Israel e agora também com sua Igreja, pois o Nome do Senhor está sobre Ele, Yeshua, nosso Salvador, que nos tira da ira vindoura. É por isso que Jesus no livro de apocalipse faz admoestações muito forte contra as igrejas que não estão em uma posição correta, estão presas ao pecado e indecisas quanto ao seu relacionamento com o seu Criador. A obediência ao Senhor é fundamental para um verdadeiro relacionamento com Ele.
Êxodo 24:3-11
3 – Veio, pois, Moisés, e contou ao povo todas as palavras do SENHOR, e todos os estatutos; então o povo respondeu a uma voz, e disse: Todas as palavras, que o SENHOR tem falado, faremos. 7 – E tomou o livro da aliança e o leu aos ouvidos do povo, e eles disseram: Tudo o que o SENHOR tem falado faremos, e obedeceremos. 8 – Então tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo, e disse: Eis aqui o sangue da aliança que o SENHOR tem feito convosco sobre todas estas palavras. 9 – E subiram Moisés e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel. 10 – E viram o Deus de Israel, e debaixo de seus pés havia como que uma pavimentação de pedra de safira, que se parecia com o céu na sua claridade. 11 – Porém não estendeu a sua mão sobre os escolhidos dos filhos de Israel, mas viram a Deus, e comeram e beberam.
No verso três, o povo confirma a aliança, se colocando debaixo de todas as obrigações para com o D-us vivo deste modo, ficam cientes das maldições que viriam da desobediência, o que quero deixar claro, é o fato de o cumprimento de todos os mandamentos, não somente como meras regras, mas conduzidas pela intenção correta do coração, pois D-us sonda os corações e a correta motivação e desejo de servir a D-us.
 
Fazendo uma Correlação (Midrash) – Haftará
Jeremias 34:10-22
10 – E obedeceram todos os príncipes, e todo o povo que havia entrado na aliança, que cada um despedisse livre o seu servo, e cada um a sua serva, de maneira que não se fizessem mais servir deles; obedeceram, pois, e os soltaram, 11 – Mas depois se arrependeram, e fizeram voltar os servos e as servas que haviam libertado, e os sujeitaram por servos e por servas. 12 – Veio, pois, a palavra do SENHOR a Jeremias, da parte do SENHOR, dizendo: 13 – Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Eu fiz aliança com vossos pais, no dia em que os tirei da terra do Egito, da casa da servidão, dizendo: 14 – Ao fim de sete anos libertareis cada um a seu irmão hebreu, que te for vendido, e te houver servido seis anos, e despedi-lo-ás livre de ti; mas vossos pais não me ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos. 15 – E vos havíeis hoje arrependido, e fizestes o que é reto aos meus olhos, apregoando liberdade cada um ao seu próximo; e fizestes diante de mim uma aliança, na casa que se chama pelo meu nome; 16 – Mudastes, porém, e profanastes o meu nome, e fizestes voltar cada um ao seu servo, e cada um à sua serva, os quais já tínheis despedido libertos conforme a vontade deles; e os sujeitastes, para que se vos fizessem servos e servas. 17 – Portanto assim diz o SENHOR: Vós não me ouvistes a mim, para apregoardes a liberdade, cada um ao seu irmão, e cada um ao seu próximo; pois eis que eu vos apregôo a liberdade, diz o SENHOR, para a espada, para a pestilência, e para a fome; e farei que sejais espanto a todos os reinos da terra. 18 – E entregarei os homens que transgrediram a minha aliança, que não cumpriram as palavras da aliança que fizeram diante de mim, com o bezerro, que dividiram em duas partes, e passaram pelo meio das suas porções; 19 – A saber, os príncipes de Judá, e os príncipes de Jerusalém, os eunucos, e os sacerdotes, e todo o povo da terra que passou por meio das porções do bezerro; 20 – Entregá-los-ei, digo, na mão de seus inimigos, e na mão dos que procuram a sua morte, e os cadáveres deles servirão de alimento para as aves dos céus e para os animais da terra. 21 – E até o rei Zedequias, rei de Judá, e seus príncipes entregarei na mão de seus inimigos e na mão dos que procuram a sua morte, a saber, na mão do exército do rei de Babilônia, que já se retirou de vós. 22 – Eis que eu darei ordem, diz o SENHOR, e os farei voltar a esta cidade, e pelejarão contra ela, e a tomarão, e a queimarão a fogo; e as cidades de Judá porei em assolação, de sorte que ninguém habite nelas.
Sempre que converso com algum irmão procuro chamar a atenção para o fato de a bíblia ser interpretada corretamente, respeitando seu contexto a uma correlação direta com texto em questão, e Jeremias não é diferente, devemos ter consciência de que a benção da terra de Israel está ligada diretamente a observância da Torá, assim D-us mostra a Israel que as consequências da quebra da aliança resultam em castigo, e com este castigo chegou o exílio, o povo seria levado para babilônia, aqui D-us ensina ao povo a importância do cumprimento da aliança, assim o texto de Jeremias mostra que D-us zela por sua palavra.
Jeremias 33:25-26
25 – Assim diz o SENHOR: Se a minha aliança com o dia e com a noite não permanecer, e eu não puser as ordenanças dos céus e da terra, 26 – Também rejeitarei a descendência de Jacó, e de Davi, meu servo, para que não tome da sua descendência os que dominem sobre a descendência de Abraão, Isaque, e Jacó; porque removerei o seu cativeiro, e apiedar-me-ei deles.
D-us por amor a sua aliança e aos patriarcas, promete a Israel “RESTAURAÇÃO”, mas deveriam passar pelo exílio, exercitando sua fé em meio às dificuldades. Assim acontece conosco, onde temos a tendência de sumir quando surge uma batalha e tribulação, mesmo as coisas não indo muito bem, as adversidades devem ser uma forma de nos deixar mais fortes, entendendo que após a tribulação vem o conforto em D-us nosso Senhor. Lembre-se que as tribulações em nossas vidas, visam sempre um bem maior, é quando estamos fracos e necessitado que verdadeiramente produzimos o perfeito louvor, D-us se manifesta em meio as crises, D-us seja Louvado!
Você Sabia?
Que Êxodo 24:13 diz: E levantou-se Moisés com Josué seu servidor; e subiu Moisés ao monte de Deus. Dizem os sábios que Josué não saia do pé do monte acompanhado seu Mestre Moisés, ficou acompanhando mais tempo que Arão e os Anciãos, isso explica porque após a morte de Moisés, Josué assume a liderança do povo em conduzi-los a terra que mana leite e mel. Isso nos ensina algo, se queremos ser como nosso mestre Jesus, devemos nos apegar a sua presença e aprender seus mandamentos para conduzir um grande rebanho a salvação e ficarmos mais tempo humilhados aos seus pés para recebermos uma porção do seu Espírito. 
Anúncios

Deixe uma resposta